Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Não era a primeira vez

por Mariana, em 30.06.11

Não era a primeira vez que saia de casa com óculos escuros. Com uma camisola de gola alta e manga comprida em pleno verão. Não era a primeira vez que caia de umas escadas, tropeçava, batia com a cabeça numa porta. Não era a primeira vez que exagerava na maquilhagem . Não era a primeira vez que dizia às pessoas que estava tudo bem. Não era a primeira vez que se esquivava às perguntas dos médicos e enfermeiros nas várias idas de urgência ao hospital. Não era a primeira vez. Não era a primeira, nem a segunda, nem a terceira. Na verdade já tinha perdido a conta das quedas, das vergonhas, das lágrimas, dos estalos e dos empurrões. 

Era como se fosse um ciclo: ele zangava-se, ele batia-lhe, ele pedia-lhe perdão e ela aceitava. Mais uma vez. Mas como não o perdoar? Como não o perdoar quando os seus olhos lhe prometiam que aquela era a última vez? Quando ele implorava que a aceitasse de novo?

No fundo, a culpa era sua. Era ela que atrasava o jantar. Era ela que não respondia às suas perguntas imediatamente. Era ela que se distraia com a televisão. Era ela que não passava a roupa em condições. Era ela que demorava mais o seu olhar num rapaz que passava pela rua. Ou então a culpa era da bebida. Mas, ninguém é perfeito e ele tinha esse pequeno problema: abusava da bebida e perdia a noção das coisas. 

As pessoas não entendiam. Quantas vezes a mãe lhe tinha dito que já tinha percebido tudo, que não valia a pena negar e que ela não devia sujeitar-se a tamanha humilhalção... Ou então, quando a sua melhor amiga tinha ameaçado que denunciaria o caso à polícia e ela tinha implorado e negado veemente que nada se passava...

A verdade é que elas não percebiam o amor que ela sentia por ele. Era o seu amor a razão para o perdoar sempre. A razão por acreditar cada vez que ele dizia que era a última vez.

Às vezes pensava em fugir; desaparecer dali, mas não tinha forças. Aliás, nem sequer sabia se era isso que queria realmente. Se conseguiria ser feliz sem ele. No fundo ela amava-o e não tinha forças para o deixar nem para dizer que não. Amava-o acima de tudo. Amava-o acima de si própria.

Autoria e outros dados (tags, etc)


13 comentários

Imagem de perfil

De copodeleite a 30.06.2011 às 20:09

favorito! é pena que ainda haja mulheres que têm essa obsessão pelo seu companheiro. quando há amor, há respeito. neste caso, ele não ama, se não respeitava-lhe. e ela própria não se respeita por continuar que tal situação continue.
beijo
Imagem de perfil

De copodeleite a 30.06.2011 às 20:29

infelizmente.
Sem imagem de perfil

De anne wood a 30.06.2011 às 21:43

está.. demais :o
tens uma forma de escrever e pensar parecida à minha ;)
Sem imagem de perfil

De anne wood a 01.07.2011 às 18:26

a sério (:
gostas de elr o meu blog *-* ?
Sem imagem de perfil

De anne wood a 01.07.2011 às 18:26

*ler
Imagem de perfil

De Yohanan a 02.07.2011 às 10:52

esta bonito :)
Imagem de perfil

De ➭Chalomiza a 03.07.2011 às 14:30

Olá!
O teu novo blog de encomendas acaba de abrir!
O SCArt está ao teu inteiro dispor sempre que quiseres! Fazemos um pouco de tudo começando em placas e acabando em visuais de sites.
Para saberes mais visita: http://scart.blogs.sapo.pt/

Obrigado e desculpa o spam!
Sem imagem de perfil

De magdalena. a 05.07.2011 às 00:31

obrigada, eu gosto muito do teu. e até adicionei aos favoritos este texto. adorei mesmo. :)
Sem imagem de perfil

De magdalena. a 05.07.2011 às 12:46

de nada. :3
Imagem de perfil

De summer wright a 06.07.2011 às 13:33

fico muito feliz por saber. se precisares de ajuda, podes sempre pedir.

Comentar post


Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.